Cultura lúdica da infância: além da nostalgia

fily
Imagem por Fily

Como não recair na nostalgia quando falamos de uma cultura lúdica da infância? O movimento retroage. E nos encontramos, assim, no território seguro de uma eterna repetição.

Ir além da nostalgia é a tarefa cotidiana daqueles e daquelas que têm a ludicidade da criança por tema e paixão. Em busca de algo que a lembrança não consegue abarcar mas que é pura memória e jogo vivo de acasos e afetos.

Sempre digo que a infância tem uma altivez inexprimível. E uma dor e alegria que a acompanham. A criança está submetida ao adulto, ao que ele impõe ou antepõe para a configuração do mundo. Mas a criança, mesmo quando sofre a ação adulta, tem um sentido de sobrevivência no futuro. O adulto está cercado e por isso quer da criança sua adesão moral. Ocorre que a criança habita frestas e hesita entre ações úteis. Nisso reside seu poder e sua superioridade.

A criança tem a condição virtual de fabricar mundos: de constituir uma poiesis do viver. Um filme lindo é Pelle, O conquistador: ali, a história da altivez do menino frente às humilhações. Para os adultos, que se enfurnaram no mundo do trabalho e das obrigações morais, da reprodução sexual mecânica e dos afetos servis que lhes correspondem, o mundo é tal como é. A criança olha isso com de um modo diferente. Com a tristeza de quem não pode enfrentar a força bruta e doente. Com um sentimento de soslaio, pois o instante sitiado é o feitio de uma paixão e não de uma necessidade, apesar de ostentar esse nome. O menino vai para um canto e inventa um mundo. Há dores caladas, mas também há clarões inundando os sentidos.

Uma superioridade das minorias. Ela reside nesse esgueirar-se por entre coisas. O adulto, inserido, dominante e hegemônico, tem um passado ancorado, a criança tem todas as reservas de futuro!

Ir além da nostalgia é apossar-se dessas reservas de invenção. Quando falo de uma cultura lúdica da infância eu me refiro àquilo que contém as potências do viver e do criar.

O que me toma por inteiro são blocos de infância, no dizer de Deleuze.  Assim, não me ocupo tanto com o mundo de infância que vivi – e que tem todas as marcas da imagem-lembrança. Ocupa-me muito mais o sentido sempre aberto e renovado do que virá. Algo que a minha infância vivida contém de modo larvar, germinativo. Mas a criança que vivi é um passado coetâneo ao mundo que vivo. E  o menino que fui continua sendo,  me surpreendendo a cada esquina com seu olhar: o que você vai fazer da sua vida?

Talvez seja por isso, por ter o menino me inquirindo a cada instante, que eu não me ocupe tanto em inventariar as atividades infantis. Não que isso não seja interessante, dotado de importância e até mesmo curioso. Mas interessa-me sobretudo o inesperado do agora. Assim, busco  o ato de  brincar e menos a brincadeira. Esta última tem seu lugar, sua atualização e imagem fixada – não posso  negar sua importância. Mas o brincar é movimento contínuo e imprevisto. É ele que produz a brincadeira. E a cada momento, novas brincadeiras poderão surgir, porque o brincar é desencadeante.

E não é que Heráclito de Éfeso , o filósofo pré-socrático, preferia jogar com as crianças do que discutir política com os adultos que lhe eram contemporâneos? Ele, o mestre do devir e de um saber fragmentário e sempre em fluxo, sabia o que escolher.

A cultura lúdica da infância é isso: puro devir.


Referências –

Imagem: Fily

2 ideias sobre “Cultura lúdica da infância: além da nostalgia”

  1. Oi, Garrocho,
    Cheguei até seu blog pelo Quintarola. Gostei de tudo, e especialmente deste post. Seu texto tem um tom poético e um sopro de infância que me encantaram. Parabéns.

  2. Olá, Daniele

    O Quintarola é um blog-quintal vizinho: não tem cercas, a gente vive passando de um lado pro outro!

    Você é que me inspira com essa expressão: sopro de infância.

    Deu vontade de escrever.

    Abraços

    [WORDPRESS HASHCASH] The poster sent us ‘0 which is not a hashcash value.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *